HThe
Hm

Notícias na Florêncio de Abreu

Listando: 6 à 10 de 1311
Uma tempestade solar poderia destruir a Terra?

Tempestades solares podem causar danos a tecnologias na Terra, mas ameaçam a vida no nosso planeta? Segundo os cientistas, é improvável



Tempestades solares acontecem em média a cada 25 anos na Terra, mas apresentam riscos às nossas tecnologias
Foto: Unsplash License / NASA

As tempestades solares, fenômenos relativamente comuns, acontecem em média a cada 25 anos por conta do campo magnético superintenso do Sol. Quando a radiação sai de controle e se desalinha, bilhões de toneladas de material solar podem chegar a milhares de quilômetros por segundo, em várias direções. Mas seria capaz de danos na Terra a ponto de destruir o planeta?

A energia magnética do Sol, que é uma massa de hidrogênio em ebulição, carregada de eletricidade, é liberada por raios de luz conhecidos como erupções solares. Mas de acordo com o histórico, muito dificilmente tais erupções poderiam nos ferir gravemente.
Que danos as tempestades solares podem causar?
Hoje em dia, as tempestades solares podem fazer com que tecnologias sejam prejudicadas, desde satélites à eletricidade. Em 1972, dezenas de minas marítimas perto da costa do Vietnã explodiram misteriosamente — o que recentemente foi confirmado como uma consequência de tempestades solares que chegaram à Terra naquela ocasião.

No entanto, a maioria dos cientistas concorda num ponto: o campo magnético da Terra e a nossa atmosfera isolante nos mantém protegidos até mesmo das mais poderosas erupções solares.

Ainda que elas possam prejudicar tecnologias de rádio, sistemas de radar e derrubar satélites, a radiação mais prejudicial para nós é dissipada ainda no espaço, muito antes de tocar a pele humana.



Campo magnético da Terra e a nossa atmosfera isolante nos mantém protegidos até mesmo das mais poderosas explosões solares
Foto: Wikimedia Commons / NASA

Sobre a nossa “atmosfera isolante”, o diretor associado de ciência da Divisão de Ciência heliofísica do Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland, Alex Young, explica: "Vivemos em um planeta com uma atmosfera muito espessa... que para toda a radiação nociva que é produzida em uma explosão solar". O especialista deu a declaração em um vídeo de 2011 sobre os temores de que uma explosão solar acabaria com o mundo em 2012.

Ainda assim, as tempestades solares são dignas de atenção. Especialistas em clima da Nasa, por exemplo, levam o assunto a sério e monitoram o Sol de perto, para que possamos nos proteger de atividades perigosas.

O que são erupções solares?
As erupções ou explosões solares acontecem basicamente quando as linhas magnéticas do Sol, que criam um campo magnético superintenso, ficam tão tensas que começam a se torcer. Com essa torção, enormes tempestades são formadas, que podem ser vistas porque criam manchas frias e escuras, conhecidas como manchas solares.

De acordo com a Live Science, a maior parte da energia de uma luz solar é irradiada como ultravioleta ou de raios-X. No entanto, a energia também pode aquecer o gás presente na atmosfera do Sol, lançando enormes bolhas de partículas chamadas de “ejeções de massa coronal” para o espaço.

À medida que essa energia eletromagnética do Sol age na Terra, átomos e moléculas se tornam eletricamente carregados, criando os efeitos que podemos observar ao redor do mundo. Especialistas temem que ejeções muito grandes possam causar, por exemplo, um “apocalipse da internet”, deixando o mundo sem acesso à web por semanas ou meses.



Explosões de estrelas em supernova são muito mais perigosas que as erupções solares
Foto: Joseph DePasquale / Wikimedia Commons

Não ameaçam vida na Terra; supernovas são mais perigosas
Até hoje, a tempestade solar mais poderosa da história foi o Evento Carrington, de 1859, que não provocou impacto perceptível na vida dos seres humanos ou outros seres vivos na Terra. Para o pesquisador do Centro de Previsão do Tempo Espacial do Centro Solar de Stanford, "não importa o que aconteça, as chamas não têm um efeito significativo sobre nós aqui na Terra".

Se o Sol não poderia apresentar uma ameaça de extinção para nós na Terra, talvez outras estrelas próximas possam. Quando algumas estrelas ficam sem combustível e morrem, explodem em uma supernova que espalham uma poderosa radiação por milhões de anos-luz ao redor.

Segundo os cientistas, essas explosões são muito mais perigosas que as erupções solares, porque se acontecerem suficientemente perto da Terra, podem banhar o planeta em radiação e destruir nossa camada de ozônio. Os autores de um estudo recente, publicado no "Proceedings of the National Academy of Sciences" em agosto de 2020, suspeitam que a morte de uma estrela a 65 anos-luz da Terra pode ter feito exatamente isso há cerca de 359 milhões de anos.

Já era sabido que uma extinção em massa no final deste período resultou na morte de 70% dos invertebrados da Terra, embora os cientistas não tivessem certeza do que tinha desencadeado isso. Porém, um exame de esporos fósseis da época da extinção revelou sinais de danos à luz ultravioleta — sugerindo que talvez uma estrela tenha sido o motivo.

Voltando à atualidade, por enquanto não existem supernovas perto o suficiente da Terra para apresentarem ameaças como a descrita acima. Nesse sentido, podemos ficar tranquilos.

(Fonte: Ivana Fontes Redação Byte) - 06/09/2022
Terra plana: como provar que teoria de Shaquille ONeal é furada

Ex-jogador de basquete do Los Angeles Lakers, da NBA, Shaquille ONeal defendeu o compartilhamento de teorias conspiratórias sobre Terra plana durante

entrevista ao programa australiano Kyle And Jackie O na última quarta-feira (24). Apesar de não confirmar se acredita ou não na teoria, O’Neal disse gostar de ouvir terraplanistas.


border="0">
Shaquille ONeal em foto de 2017; ex-jogador de basquete disse gostar de ouvir terraplanistas
Foto: MarkScottAustinTX / Wikimedia Commons

“Dizem que o mundo está girando. Eu moro em um lago há 30 anos e nunca vi o lago se mover para a esquerda ou para a direita”, afirmou o astro. Ele argumentou, ainda, que o avião no qual viajou dos Estados Unidos para a Austrália não tombou ou “virou de cabeça para baixo no trajeto”. Entenda por que esses questionamentos sobre a geometria da Terra não fazem sentido.

Por que não vemos ou sentimos a Terra girar?
Porque nós, humanos, estamos nos movendo junto com o planeta (e tudo o que há nele) na mesma direção e na mesma velocidade, que é praticamente constante. Por esse mesmo motivo, quando você viaja de avião, a mais de 200 km/h, você vê os passageiros e poltronas ao seu redor parados: é porque tudo dentro do avião está viajando na mesma velocidade. Portanto, mesmo que esta seja alta, nós não sentimos ou vemos o movimento.

Logo, Shaquille ONeal só veria o lago se deslocando caso, durante o movimento de rotação da Terra, o lago estivesse se movendo a uma velocidade diferente da dele — o que, naturalmente, não acontece. Além disso, ele sentiria o movimento da Terra (e seria arremessado) apenas se ela acelerasse ou freasse bruscamente, algo que, felizmente, também não acontece.

Planeta Terra: altitude de aviões comerciais pode não ser suficiente para notarmos a curvatura


Planeta Terra: altitude de aviões comerciais pode não ser suficiente para notarmos a curvatura
Foto: Divulgação / Nasa

Por que não vemos a curvatura da Terra quando viajamos de avião?
Porque a altitude de aviões comerciais (geralmente de 11 mil a 12 mil metros) pode não ser suficiente para que a gente consiga notar a curvatura — há que se levar em conta o tamanho da Terra, com 12,7 km de diâmetro.

Ainda assim, a curvatura pode ser observada. Estima-se que seja possível começar a vê-la a partir dos 10 mil metros e que, a partir dos 15 mil, ela fique ainda mais evidente. Portanto, voos de maiores altitudes podem proporcionar uma boa observação.

Também é possível perceber a curvatura ao observar um navio sumindo em direção ao horizonte. Conforme ele se afasta, passamos a enxergar apenas sua parte superior, mas, se subirmos em algum local mais elevado, voltamos a ver a parte de baixo da embarcação.

E por que o avião de Shaquille O’Neal não virou de cabeça para baixo? Bom, por que viraria? Não sabemos exatamente o que o astro quis dizer com esse questionamento, porém sabemos que a gravidade que age nos Estados Unidos é a mesma que age na Austrália. Ela atrai todos os objetos para o centro da Terra, incluindo os aviões que viajam de um país para o outro.

É por causa dela que tanto americanos quanto australianos podem ficar com os pés fixados no solo — caso ONeil também não saiba por que australianos não estão de cabeça para baixo.

(Fonte: Redação Terra) - 31/08/2022
Vacina brasileira contra covid-19 já está pronta para testes em humanos

A ideia é que a vacina brasileira induza uma resposta celular ainda mais forte que a da AstraZeneca. Chamado de SpiN-TEC, o imunizante foi seguro em roedores

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) fizeram uma parceria para desenvolver a vacina brasileira contra covid-19.

O imunizante, que acabou sendo chamado de SpiN-TEC, já está pronto para ser testado em seres humanos.

Anteriormente, a fórmula chegou a ser testada em camundongos e se mostrou segura, além de induzir as células de defesa T contra o vírus. A expectativa do grupo é que a Anvisa autorize no próximo mês o início das fases clínicas, em que a vacina começa a ser avaliada em humanos. Os estudos serão conduzidos na própria UFMG.

Com isso, os responsáveis pelas pesquisas esperam começar o ensaio clínico em meados de setembro. Na prática, voluntários do grupo-controle recebem a vacina da AstraZeneca, para que então os cientistas comparem a produção de anticorpos neutralizantes, anticorpos totais contra o Sars-CoV-2 (vírus causador da Covid-19) e a resposta de linfócitos T (células de defesa).

A ideia é que a vacina brasileira induza uma resposta celular ainda mais forte que a da AstraZeneca. Como a SpiN-TEC envolve duas proteínas do patógeno, em vez de apenas uma, os pesquisadores esperam que proporcione uma proteção maior contra novas variantes do coronavírus.

Já existe uma vacina brasileira contra covid-19?


Foto: Ha4ipuri/envato / Canaltech

Além dessa fórmula da Fiocruz e da UFMG, existe um imunizante produzido pelo SENAI CIMATEC de Salvador (BA), que já deu início à primeira fase de testes em humanos. Como o próprio nome do imunizante (RNA MCTI CIMATEC HDT) sugere, a tecnologia utilizada é a de RNA mensageiro, semelhante a empresas como Pfizer ou Moderna.

O governo investe R$ 350 milhões nessa vacina brasileira contra covid-19, que está sendo desenvolvido por pesquisadores brasileiros da Rede Vírus MCTI em parceria com a americana HDT Bio Corp. Testes já estão acontecendo em Salvador, mas a ideia é que também sejam feitos nos EUA e na Índia.

(Fonte: Nathan Vieira O Globo) - 31/08/2022
5G chega ao Brasil: o que ainda precisa ser feito para avançar na conectividade

Verdadeiro 5G começou a chegar ao Brasil, mas expandi-lo para garantir e popularizar o acesso é o próximo desafio

Imagine o dia em que um médico em São Paulo consiga fazer em tempo real uma cirurgia em um paciente que está em Macapá. Ou a possibilidade de pegar uma carona até o outro lado da cidade em um carro autônomo, ou seja, sem motorista. Parece um filme de ficção científica, certo? Mas são apenas duas de uma infinidade de possibilidades que a chegada do 5G nos traz.

Após um longo capítulo entre disputas geopolíticas, questões comerciais e um leilão muito esperado, o 5G chega oficialmente ao Brasil. Realizado em novembro de 2021 pelo governo federal, o chamado leilão do 5G movimentou R$ 46,7 bilhões entre as dez empresas ganhadoras da negociação.

Brasília foi a primeira capital do país a oferecer o tão aguardado 5G "puro". A tecnologia conta com uma infraestrutura totalmente nova e dedicada exclusivamente a ela e, por isso, oferece uma internet com alta velocidade, conexão massiva de dispositivos, com um baixo tempo de resposta e alta confiabilidade.


Foto: Nokia / Canaltech

No dia 29 de julho foi a vez das cidades de Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB) e Porto Alegre (RS). O cronograma previsto para implementação do 5G no Brasil aponta que até o dia 29 de setembro todas as capitais devam ser contempladas. Porém, para cidades menores, aquelas com até 30 mil habitantes, a previsão é de que a tecnologia chegue apenas em 2028.

As redes 5G utilizam frequências de rádio mais altas para o seu funcionamento e que permitem ampliar a capacidade de transmissão de dados a uma latência menor — que é o tempo que a informação leva para sair do computador e chegar ao destino. O 5G permite uma internet até 20 vezes mais rápida que o 4G; para se ter uma ideia, se antes levávamos 10 minutos para baixar um filme no 4G, o mesmo poderá ser feito em apenas 30 segundos utilizando o 5G.

Os ganhos que o 5G promete trazer para o país poderão elevar o Produto Interno Bruto (PIB) em US$ 1,2 trilhão até 2035. A tecnologia deve resultar no aumento da produtividade, no desenvolvimento de novas soluções, abertura de novos negócios e na queda nos custos de produção. O Brasil, finalmente, se junta aos 60 demais países que já possuem a tecnologia de quinta geração.

A conectividade como um direito social
As perspectivas de como essa nova tecnologia pode impulsionar a utilização de soluções disruptivas são muito animadoras, mas não devemos deixar de reconhecer os desafios históricos para que a conectividade possa ser um direito social garantido à população. A chegada do 5g reforça também como é preciso reduzir as profundas desigualdades no acesso à internet existentes no Brasil. Isso porque, ignorar a complexa realidade social do nosso país pode nos levar a repetir as mesmas injustiças, agora diante de uma nova tecnologia que promete ser tão transformadora.

Dados da Anatel de julho de 2022 mostram que 90,15% dos moradores do país recebem cobertura 4G. Apesar da alta porcentagem, é necessário analisar as diferenças regionais: enquanto 99,66% dos moradores do Distrito Federal acessam o 4G, no Piauí o percentual cai para 73,78%. Por ser uma tecnologia que depende da instalação de antenas, há no país grandes "lacunas" de conexão. Em 2022, apenas 12,45% do território nacional conta com cobertura 4G. O Amazonas é a unidade da federação com menor área coberta, 0,82% do estado.

Um estudo do Instituto Locomotivas e da empresa de consultoria PwC, realizado em 2022, identificou que 33,9 milhões de brasileiros estão desconectados e outros 86,6 milhões não conseguem se conectar todos os dias. Os impactos de uma população excluída digitalmente podem ser medidos a partir das enormes perdas econômicas. Mas eles são sentidos, principalmente, como uma violação incalculável ao pleno exercício da cidadania.

Em uma sociedade que vive sua revolução tecnológica, excluir pessoas do acesso à internet significa condená-las à pobreza, à exclusão social e à impossibilidade de acessar recursos essenciais para se desenvolver, estudar, acessar serviços públicos -como bem demonstrou a pandemia de covid-19 — e gerar riquezas.

Para enfrentar um problema desta magnitude, é preciso prioritariamente desenvolver políticas públicas inclusivas para a ampliação do acesso à internet, como a criação de um novo Plano Nacional de Banda Larga.

É fundamental também garantir estratégias, metas e obrigações de cobertura de telefonia e banda larga móveis (3G, 4G e 5G) nos municípios brasileiros. Iniciativas como essas, aos poucos, estão sendo desenvolvidas. Como é o caso do leilão do 5G, encerrado em novembro de 2021, que garantiu o compromisso do poder público de conectar 85% das escolas até o ano de 2028. Com isso, dos R$ 47,2 bilhões que devem ser investidos pelas empresas privadas, R$ 3,1 bilhões — o equivalente a 6,5% —vão para a área de educação.

A chegada do 5G no Brasil é uma ótima notícia e trará enormes ganhos para o nosso ecossistema de inovação e tecnologia. Precisamos garantir que o desenvolvimento tecnológico esteja atrelado ao compromisso de gerar ganhos sociais, de forma que o avanço proporcionado pela nova geração de banda larga móvel represente também uma oportunidade de democratizar o direito à conectividade para uma importante parcela da sociedade ainda excluída.

AirTag é usado para rastrear ladrão de bagagens nos EUA

Fato ocorreu em um condado da Flórida; vítima usou o gadget da Apple para encontrar a última localização de seus bens

O AirTag é aquele tipo de item que temos com a intenção de nunca precisar usar. Apesar disso, há momentos em que o gadget pode ser de enorme ajuda. Um exemplo recente é o caso de furtos de malas no aeroporto de Destin-Fort Walton Beach, na Flórida. Na situação, uma viajante relatou que sua bagagem nunca chegou a seu destino, mas depois de utilizar o objeto da Apple, foi descoberto que um funcionário havia furtado o item com cerca de US$ 1.600.



Apple AirTag
Foto: Darlan Helder/Tecnoblog / Tecnoblog

Na quinta-feira (11), o xerife do condado de Okaloosa, na Flórida, divulgou que haviam encontrado e prendido Giovanni De Luca, um rapaz de 19 anos que trabalhava no aeroporto de Destin-Fort Walton Beach. O homem é acusado de furtar, pelo menos, duas bagagens de pessoas diferentes com pertences no valor de US$ 16.600.

A investigação teve início quando uma mulher realizou uma viagem, mas percebeu que sua mala desapareceu no caminho. Assim, ela usou o seu AirTag para tentar encontrar a última localização do objeto. O resultado mostrou que a mais recente ativação havia ocorrido na cidade de Mary Esther, Flórida.

Em seguida, um segundo indivíduo reportou ao xerife que seus bens, com joias no valor de US$ 15 mil, também estavam desaparecidos.

A partir daí, os investigadores usaram a base de dados do aeroporto para encontrar algum funcionário que morasse nas redondezas da localização indicada pelo AirTag da Apple. Eventualmente, a residência de Giovanni De Luca foi indicada. Os agentes do xerife contataram o rapaz, que acabou admitindo os furtos.

Todavia, apenas a segunda pessoa conseguiu recuperar os seus pertences.

AirTag faz parte de outros casos curiosos
Em Nova York, por exemplo, diversos casos de stalking ocorreram no início do ano envolvendo o AirTag. Muitas pessoas reportaram às autoridades que o gadget foi encontrado dentro de carros, bolsas e outras propriedades. Os stalkers fazem isso para saber a localização dos indivíduos de forma frequente.

Outra situação estranha ocorreu em dezembro de 2021 no Canadá. Autoridades afirmaram que bandidos estavam usando o objeto da Apple para marcar carros de luxos e, em seguida, roubá-los. Em outras palavras, os criminosos colocavam o AirTag nos veículos, os rastreavam até as residências dos donos e os furtavam.

Mesmo com uma tecnologia desenvolvida para auxiliar os usuários, há sempre aqueles que vão usá-la com os piores motivos.

Com informações: 9toMac.

(Fonte: Ricardo Syozi Tecnoblog) - 23/08/2022
Listando: 10 de 1311

Anuncie

Sobre o Portal da Florêncio de Abreu

O Portal da Florêncio de Abreu foi lançado em 01 de janeiro de 2002, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua Florêncio de Abreu no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para a área de ferramentas e ferragens.